Aceder ao conteúdo

Olhar em retrospetiva sobre a origem da funcionalidade "Ignorar introdução", cinco anos depois

Olhar em retrospetiva sobre a origem da funcionalidade "Ignorar introdução", cinco anos depois

Hoje em dia, é difícil imaginar ver a sua série favorita sem poder sem usar o botão "Ignorar introdução". Na Netflix, o botão "Ignorar introdução" é premido136 milhões de vezes por dia, permitindo aos membros economizar uns incríveis 195 anos acumulados de tempo de streaming!

Mas, há seis anos, esta funcionalidade era apenas um mero conceito. Na Netflix, estamos constantemente focados em melhorar o nosso serviço, razão pela qual eu e alguns designers procurávamos identificar uma forma de permitir aos membros tirar o máximo partido da experiência Netflix. Por vezes, queremos encontrar um determinado momento que adoramos — uma sequência de ação impressionante, a grande revelação da reviravolta que nos deixou incrédulos,  ou rever uma piada favorita.

Discutiu-se a ideia de implementar botões que permitissem avançar ou retroceder em incrementos de 10 segundos. O motivo para retroceder era óbvio: o membro podia ter-se distraído e perdido um momento particular de determinada cena. 

Mas porquê avançar 10 segundos?

Bem, talvez o membro quisesse saltar o genérico. Não nos ocorreu nenhum outro motivo plausível. 

Por essa altura estava eu a ver a Guerra dos Tronos, cujo genérico de abertura, já sabemos, é particularmente longo (e belo!). Achei a série tão cativante, que só queria saltar a introdução para começar logo a ver a história, e era frustrante tentar saltar manualmente para o momento certo no início do episódio. Por vezes, avançava demasiado; outras, não avançava o suficiente. E perguntei-me se outras pessoas não sentiriam a mesma frustração.

Fizemos a nossa pesquisa e apurámos que, em 15% dos casos, os membros avançavam no tempo nos primeiros cinco minutos da série. Isso deu-nos a confiança para afirmar que um grande número de espetadores preferiam ignorar a introdução.

Em vez de desenvolver uma solução genérica passível de satisfazer apenas parcialmente diferentes necessidades, como um botão para avançar 10 segundos, concebemos uma solução com uma única função, que cumpria na perfeição. 

O nosso objetivo era criar uma opção tão simples quanto possível, mas que desse aos membros a flexibilidade de poderem ouvir o tema do genérico as vezes que quisessem.  Como tal, o botão deveria aparecer no ecrã apenas no momento oportuno e funcionar com um único clique. (Um atalho pouco conhecido consiste em premir a tecla "s" do teclado, quando o botão "Ignorar introdução" aparece no ecrã, em vez de usar o rato.)

Para encontrar o nome certo para esse botão, explorámos várias opções:  "Saltar introdução", "Ignorar genérico", "Saltar", "Ignorar introdução" e "Ignorar", e testámos a funcionalidade junto de um grupo aleatório de membros.

Um dos primeiros designs conceptuais do botão "Ignorar introdução" (2017)

Para agilizar o processo, incluímos o botão apenas em 250 séries (os filmes não estavam em causa), e limitámos a experiência aos Estados Unidos, ao Reino Unido e ao Canadá, e apenas em navegadores.

Esta nossa ideia bastante simples suscitou grande adesão por parte dos membros ("Ignorar introdução" acabou por ganhar) e foi bem recebida nas redes sociais. Nas palavras de um engenheiro: «Se queres que te diga, nem sei se um botão que dissesse "Queques grátis" teria mais cliques do que "Ignorar introdução"».

Rapidamente, implementámos a opção nos televisores em agosto de 2017 e nos dispositivos móveis em maio do ano seguinte. E o resto é história.

Ao longo dos últimos cinco anos, tem sido gratificante ver como "Ignorar introdução" se tornou uma funcionalidade adorada e adotada por vários outros serviços de streaming, trazendo assim momentos adicionais de deleite a espetadores de todo o mundo.